Início Geral

Capacitação impulsionará negócios de venezuelanos e migrantes no Rio

0

Para apoiar empreendedores venezuelanos e de países vizinhos ao Brasil durante a pandemia da COVID-19, a Associação Mawon, com o apoio da Organização Internacional para as Migrações (OIM), lançou a 3ª edição do projeto Empregadorismo, que beneficiará 40 pessoas que residem no Rio de Janeiro.

Os selecionados já possuíam pequenos negócios ou eram potenciais empreendedores, e agora, ao longo de quatro meses, terão acesso a um conteúdo pedagógico intensivo, combinando sessões teóricas e aulas práticas com mentorias individuais. Do total de participantes do projeto, 60% são mulheres e 83% vieram da Venezuela, há também migrantes da Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Haiti e Peru.

Projeto da OIM com a Associação Mawon prevê capital semente para todos os participantes que completarem a formação e prêmio extra para os cinco melhores empreendimentos. Foto: OIM

Para apoiar empreendedores venezuelanos e de países vizinhos ao Brasil durante a pandemia da COVID-19, a Associação Mawon, com o apoio da Organização Internacional para as Migrações (OIM), lançou a 3ª edição do projeto Empregadorismo, que beneficiará 40 pessoas que residem no Rio de Janeiro.

Os selecionados já possuíam pequenos negócios ou eram potenciais empreendedores, e agora, ao longo de quatro meses, terão acesso a um conteúdo pedagógico intensivo, combinando sessões teóricas e aulas práticas com mentorias individuais.

Todo o programa é gratuito e será dado em formato virtual, de forma a preservar a saúde dos colaboradores e dos participantes neste momento de pandemia. Do total de participantes do projeto, 60% são mulheres e 83% vieram da Venezuela, há também migrantes da Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Haiti e Peru.

O venezuelano Luis Eduardo, que chegou ao Brasil em fevereiro de 2018, é um dos participantes. Formado em Engenharia Mecânica, ele tinha uma empresa de transportes na Venezuela, mas teve que recomeçar do zero após se estabelecer no Rio de Janeiro. Quando a pandemia chegou, trabalhava como motorista de uma fábrica de gelo na cidade de Maricá e acabou perdendo o emprego. Fez alguns serviços como servente de obras até que, com a ajuda de um conterrâneo que trabalhava numa empresa de laticínios, passou a comercializar queijos nas ruas. Agora ele espera tirar o melhor da capacitação em empreendedorismo.

“Será maravilhoso. Quero ter mais conhecimentos de marketing, administração e tudo que eles tiverem para oferecer”, disse Luis, que batizou seu negócio como Queijaria Maricá Venezuela-Brasil. “Meu sonho é ter uma loja física para que minha esposa possa trabalhar comigo. Vamos precisar de alguns equipamentos, mas não é impossível”.

A estrutura pedagógica do programa combina abordagem cultural com conhecimentos e ferramentas do empreendedorismo, como: marketing, RH, gestão de projetos, precificação e contabilidade, entre outros. Ao final do curso, os beneficiários estarão prontos para defender seu plano de negócio frente aos demais participantes e de um júri formado por especialistas do ecossistema empreendedor no Rio de Janeiro, em uma apresentação em formato de pitch, de maneira direta e rápida.

Segundo a gestora do projeto “Oportunidades – Integração no Brasil” da OIM, Michelle Barron, essa parceria com a Mawon oferece oportunidades importantes para as mulheres e os homens que vieram da Venezuela ou de países vizinhos e agora vivem no Rio de Janeiro, sobretudo nestes tempos desafiadores de pandemia. “A OIM entende que o apoio ao empreendedorismo é uma das vias mais eficazes para impulsionar a geração de renda dessa população, fortalecendo sua integração econômica e, consequentemente, sua autonomia no Brasil”.

Para impulsionar os negócios participantes, cada empreendedor receberá o capital semente no valor de R$ 1 mil, desde que cumpra os pré-requisitos de participação e realização das tarefas. Além disso, na cerimônia final, serão entregues R$ 15 mil em prêmios para os cinco melhores modelos de negócio, e todos terão seus empreendimentos expostos na vitrine virtual do programa, ampliando a visibilidade e o volume de vendas dos negócios.

A equipe de articulação é composta por brasileiros e migrantes, incluindo venezuelanos, sob a coordenação do haitiano Robert Montinard. “Este projeto chega em ótimo momento”, celebrou o presidente da Associação Mawon. “Precisamos de soluções que vão além de medidas de assistência, precisamos de ações que gerem renda e integração na sociedade brasileira. A 3ª edição do projeto Empregadorismo se inicia como uma saída para famílias que foram muito atingidas na pandemia. Assim, quem sabe, recuperamos a esperança de dias melhores daqueles que escolheram o Rio de Janeiro como sua nova casa”.

A iniciativa é realizada no marco do Projeto “Oportunidades – Integração no Brasil”, implementado pela Organização Internacional para as Migrações e financiado pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).




Fonte