Início Esporte

Morre Levi Mulford, ícone do jornalismo esportivo paranaense

0

Essa é sua matéria grátis do dia. Assine agora e tenha acesso ilimitado.R$ 0,99 no 1º mês

Faleceu neste sábado (29), de causas naturais, aos 91 anos, o jornalista Levi Mulford Chrestenzen, ícone na cobertura do futebol amador de Curitiba, em especial, a famosa Suburbana.

Dono de um dos maiores acervos sobre o futebol no estado, composto por livros, jornais e anotações que ele próprio fazia, Levi Mulford escrevia para o jornal Tribuna do Paraná desde a primeira edição do jornal, que foi publicada no dia 17 outubro de 1956.

O apaixonado pela Suburbana e autor de livros sobre o
esporte no estado seguiu em atividade até dezembro de 2019, quando se aposentou
da rotina do jornal, após 63 anos de contribuição ao impresso.

Dedicado a registrar os acontecimentos dos campeonatos amadores desde a década de 1940, seu Levi chegou, em certa ocasião, a se recusar a entrevistar ninguém menos do que Pelé. “Só falo do amador”, enfatizou.

Levi Mulford passou 63 anos na Tribuna do Paraná

Falar de Levi Mulford Chrestenzen, ou apenas seu Levi, é falar também da Tribuna do Paraná. Afinal, a história dos dois se misturam. Fundado em 17 de outubro de 1956, o jornal tinha no jornalista o seu mais antigo funcionário, que escreveu nas páginas impressas e no site sobre futebol amador desde sua primeira edição.

Nascido no dia 6 de julho de 1929, no bairro Juvevê, o neto de italianos e dinamarqueses sempre foi um guardião da memória do futebol amador. Em casa, seu Levi montou uma espécie de museu dedicado ao futebol paranaense, onde abriga prateleiras com livros feitos por ele mesmo a partir de anotações, recortes de jornais, fotos e lembranças dos 78 anos de história da Liga Amadora de Curitiba, que teve seu início em 1941.

Há também páginas dedicadas ao futebol profissional com a história de Athletico, Coritiba e Paraná Clube.

Entre os livros que escreveu está a enciclopédia “Futebol do Paraná – 100 anos de história”, que assinou em parceria com o professor e historiador Heriberto Ivan Machado.

Fonte